Shell4Startups

Shell4Startups

SHELL for Scientific Entrepreneurship

UMA APLICAÇÃO DO EMPREENDEDORISMO CIENTÍFICO PARA EARLY STAGE STARTUPS

image

MANIFESTO

EMPREENDEDORISMO CIENTÍFICO É O QUE NOS DIRECIONA, MOTIVA E EMOCIONA.

LEVAR ESTA IDEIA PARA A UNIVERSIDADE É A ESTRATÉGIA QUE ESCOLHEMOS.

Empreendedorismo porque nosso grande sonho é ver cada vez mais tecnologias transformadas em empresas. E empresas com clientes reais, dispostos a pagar pelos produtos e serviços ofertados. Não discutimos as teorias de Inovação ou Design; no máximo, tomamos emprestados alguns resultados destas disciplinas. Não por julgá-las menos importantes, simplesmente porque nossa pegada é outra.

Fazemos Empreendedorismo como Ciência porque construímos uma base  Metodológica que suporta nosso projeto. Não encontramos esta base nos métodos científicos clássicos, dedutivo e indutivo. O método dedutivo parte dos fundamentos gerais para os casos particulares. O método indutivo deriva do estudo de casos particulares para levar a conclusões mais generalizáveis. Você leu a palavra “novo” nas últimas duas frases?

Não! Empreendedorismo e inovação vêm com processos iterativos, cujas conclusões emergem de ciclos de testes e aprendizado – e nessa reflexão encontramos no método abdutivo de C.S.Pierce, uma estrutura para ancorar a construção de nossa metodologia. Como Pierce, entendemos que não há certezas primordiais, apenas hipóteses a serem experimentadas. Ainda como Pierce, acreditamos que a cadeia de hipóteses evolui ao longo dessas experimentações e, portanto, não nasce fixa, imutável, determinada. Modifica-se a hipótese e a cadeia de experimentos à medida que esses são realizados. Novas idéias fluem como resultado possível e bem-vindo da execução do processo. Mudar é algo natural.

O poeta espanhol Antonio Machado, transformou esta visão em poesia:

Caminhante, são teus passos o caminho e nada mais; caminhante, não há caminho, faz-se caminho ao andar. Ao andar se faz caminho, e ao voltar a vista atrás se vê a senda que nunca se voltará a pisar. Caminhante, não há caminho, mas sulcos de escuma ao mar.

Escolhemos a base universitária como estratégia. Não somente porque nos é próxima, como também como give back: somos o que somos, graças ao muito que aprendemos em nossa passagem (e estadia…) na Universidade, particularmente, na Universidade de São Paulo. Compreendemos que é obrigação da Universidade do Século XXI formar o indivíduo de modo holístico: seu conhecimento científico e técnico, a compreensão ampla da sociedade e o desenvolvimento para sua inserção na sociedade. É neste último aspecto em que nos concentramos: preparar empreendedores e cuidar de sua inserção na sociedade. Este fazer distancia-se da prática docente requerida para o ensino conteudista: em vez de professores/ facilitadores, precisa-se de coaches. E muito deste texto é dedicado a eles.

ESPERAMOS QUE NOSSA PAIXÃO CONTAMINE VOCÊ!

image

Shell for Startups (S4S)

Assim como acontece na lógica de softwares, o shell pretende ser um sistema em que ferramentas e conceitos se conectam para uso prático.

image

Playbook

Assim como acontece na lógica de softwares, o shell pretende ser um sistema em que ferramentas e conceitos se conectam para uso prático.

image

Conheça o framework

Saiba o que são os DECKs e RECORDs e em quais encaixes podem ser usados. Em breve, casos, textos e muito mais para o S4S

image

Um método testado com mais de 200 startups universitárias e dezenas fora da universidade

O S4S tem como visão as fases iniciais do ciclo de vida de uma startup, particularmente (i)ideação e (ii) validação/ estabelecimento. Idealmente, o primeiro cliente (preferencialmente, pagante) foi envolvido e há uma validação inicial da solução.

Autores

image

Marcos Barretto

Professor & Empreendedor

Marcos Ribeiro Pereira Barretto graduou-se em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP em 1983. Completou o Mestrado e o Doutorado também pela POLI, em 1988 e 1993, respectivamente. É professor na mesma universidade há mais de 30 anos. Escreveu mais de uma centena de artigos para revistas e jornais, nacionais e internacionais, e diversos capítulos de livros. Durante os anos de professorado também se aventurou em pelo menos 5 iniciativas de empreendedorismo tecnológico próprias, sendo a mais recente ligada ao segmento de Fintech.

image

Diogo Dutra

Diretor da Venture Builder CAOS Focado & Empreendedor

Engenheiro Mecatrônico pela POLI-USP com complemento em Engineering Design pela Mines ParisTech, é especialista na condução de processos de inovação pelo design. Mestre em Engineering Design também pela POLI-USP é sócio-fundador da Venture Builder CAOS Focado, atuando e desenvolvendo um em portfolio de atualmente três startups no segmentos Edtech, AgTech e HealthTec. Atua como coordenador principal do programa de educação empreendedora AWC do Instituto TIM desde o seu nascimento em 2015.

image

Artur Vilas Boas

Doutor, Coordenador do NEU-USP & Empreendedor

Doutor em Administração e Mestre em Empreendedorismo e Inovação pela FEA-USP. Coordena o Núcleo de Empreendedorismo da USP (NEU) e pesquisa pelo Núcleo de Pesquisa e Gestão Tecnológica da USP (NPGT). Publica em periódicos nacionais e internacionais. Atua em disciplinas de empreendedorismo, inovação e gestão na POLI e na Faculdade de Medicina (USP), além de em programas de MBA – como Fundação Vanzolini e UFSCAR. À frente do AWC, NEU e outros programas, atuou diretamente na aceleração de centenas de startups pelo Brasil.

image

Rodrigo Franco

Design & Product Lead da Venture Builder CAOS Focado & Empreendedor

Designer, comunicador, empreendedor, pesquisador e generalista criativo. Formado em comunicação, design e empreendedorismo, líder de Design da CAOS Focado e ex-coordenador de aceleração do programa AWC. Mestrando em Empreendedorismo pela FEA-USP. Mentora e colabora com startups, projetos e iniciativas desde alta tecnologia a economia criativa. Facilitador nas áreas de inteligência coletiva, inovação, aprendizado e processos criativos. No tempo extra, estuda sobre criatividade, escreve artigos e ilustra livros infantis e adultos.

Biblioteca